Cassilandia Jornal

notícia publicada em 16/05/2017 �s 14:31:05

Mulher se corta com canivete, diz ter HIV e queria transmitir a doença à PM
 
Cassilândia Jornal   
M. M. da S., 25 anos, é suspeita de se cortar com um canivete e dizer que iria contaminar a equipe da Polícia Militar na manhã de ontem (15) no quartel em Cassilândia (MS).

Conforme boletim de ocorrência, a PM foi solicitada a comparecer na rua Sebastião M. da Silva, onde um policial militar se encontrava em período de folga e teria visualizado um casal oferecendo produtos de origem duvidosa, sendo conhecidos no meio policial por se tratar de usuários de entorpecentes e que os produtos poderiam ser oriundos de furto.

A guarnição policial militar informa que diante dos fatos, teria se deslocado até o local, onde em entrevista aos suspeitos, estes deram respostas evasivas quanto à origem dos produtos, e em virtude da situação, esta equipe policial encaminhou os suspeitos até o Quartel da Polícia Militar.

No local inicial da abordagem foi realizada busca preliminar nos suspeitos, no entanto não foi localizado nenhum objeto ilícito na posse destes, e em virtude de até então a situação estar tranquila, não foi vislumbrada a necessidade legal de realizar o algemamento dos suspeitos.

A PM informa que os suspeitos se encontravam sentados em um banco no quartel da Polícia Militar, momento em que M. M. da S., inopinadamente, retirou de suas partes íntimas um canivete e passou a cortar seus braços, dizendo ser portadora do vírus da Aids e que iria contaminar a equipe policial militar.

Diante da situação, tendo em vista a mulher teria apresentado total descontrole, foi necessário o uso de força física, no sentido de imobilizá-la e retirar o canivete de sua mão, sendo necessário logo após, o algemamento dela.

A todo o tempo, a mulher dizia que iria atear fogo na casa de uma policial militar, dizendo saber onde esta morava, e em virtude dos ferimentos que a suspeita teria provocado em si mesma, foi solicitado o comparecimento da ambulância da Prefeitura.

Após muito diálogo, a mulher se acalmou e foi encaminhada à Santa Casa local para atendimento médico.

O outro suspeito que estava com a mulher não foi localizado no sistema S.I.G.O, e ele não portava documentos pessoais.

Por determinação da Autoridade Policial e pelos suspeitos estarem sob efeito de entorpecentes, não tendo condições de prestarem depoimento nem comprovarem a origem lícita dos objetos, os bens foram apreendidos para averiguação.

As informações são da Polícia Civil de Cassilândia.


Fonte:

Comentários
 Mais notícias
 
Cassilandense lança musica em Cuiabá (v. 169)
 
Deputados dizem que dinheiro da JBS chegou via Nelsinho e Simone (v. 70)
 
Confira a lista: 31 políticos de MS tiveram campanhas financiadas pela JBS (v. 83)
 
Após gravação de Temer, relator suspende Reforma Trabalhista (v. 238)
 
Difícil não pensar que mandaram derrubar avião, diz filho de Teori (v. 262)