Cassilandia Jornal

notícia publicada em 24/11/2017 �s 16:33:09

Brasil aumenta diagnóstico e tratamento para o HIV
 
Cassilândia Jornal   
 Cr�ditos da Foto: Divulgação 

Aumento no diagnóstico entre as pessoas que vivem com HIV e no número de pessoas em tratamento são os destaques do Relatório de Monitoramento Clínico do HIV lançado nesta quinta-feira (23) pelo Ministério da Saúde. O documento demonstra o avanço do país no alcance das metas 90-90-90, no período de 2012 a 2016. De acordo com o documento, estima-se que, em 2016, aproximadamente 830 mil pessoas vivem com HIV no país, dessas, 694 mil (84%) diagnosticadas; 655 mil (79%) vinculadas a algum serviço de saúde; e 563 mil (68%) retidas nos serviços.
A proporção de pessoas vivendo com HIV diagnosticadas (1ª meta) aumentou em 18%, passando de 71%, em 2012, para 84%, em 2016. Ainda com relação aos resultados das metas no país, houve um aumento de 15% na proporção de PVHIV diagnosticadas que estavam em tratamento (de 62% em 2012 para 72% em 2016). Nos primeiros seis meses de 2017, o relatório aponta que quase 35 mil pessoas iniciaram terapia antirretroviral (TARV). Na terceira meta, das pessoas em tratamento antirretroviral, há pelo menos seis meses, em 2016, 91% atingiram supressão viral (carga viral abaixo de 1.000 cópias/mL indicando sucesso no tratamento). Essa proporção é 6% acima da observada em 2012 (85%) e aponta que o país ultrapassou a meta estabelecida.
SERVIÇO:
ADELE BENZAKEN ATENDE A IMPRENSA ÀS 11H – CONFIRA ABAIXO O SERVIÇO
O ministro da Saúde, Ricardo Barros, comentou os avanços apontados pelo relatório. Barros ressaltou a importância da manutenção das ações de prevenção e controle do HIV/aids no Brasil. “Os resultados observados no Relatório refletem os esforços de um conjunto de ações realizadas por diversos atores, em diferentes níveis de gestão, para a redução da transmissão do HIV e a melhoria da qualidade de vida das pessoas que vivem com HIV e aids no país”, observou o ministro.
Lançado pelo segundo ano seguido, o documento Relatório de Monitoramento Clínico do HIV, reúne e analisa as informações dos principais indicadores de monitoramento clínico, atualizados até 30 de junho de 2017. O relatório avalia as metas 90-90-90: (90% das pessoas vivendo com HIV (PVHIV) diagnosticadas; 90% das PVHIV diagnosticadas em terapia antirretroviral (Tarv); e 90% das PVHIV diagnosticadas em TARV (terapia antirretroviral - com supressão viral, até o ano de 2020) para o Brasil, entre 2012 e 2016. As metas foram instituídas, em 2014, pelo Programa das Nações Unidas para Aids (UNAIDS).
Outro dado do relatório aponta que, de todos os indivíduos infectados pelo HIV, observa-se cobertura antirretroviral de 60% e supressão viral de 54% (com carga viral abaixo de 1.000 cópias/mL). Isso é excelente porque quanto menor a carga viral, menor a possibilidade de transmissão do vírus e indica sucesso no tratamento da pessoa vivendo com HIV.
No primeiro semestre de 2017, até 30 junho, o número de pessoas em TARV somava mais de 517 mil. De acordo com os resultados monitorados até o momento, estima-se que até o final do ano cerca de 550 mil PVHIV estarão em tratamento, indicando um incremento de mais de 10% nesse número até o final do ano, ultrapassando o crescimento observado entre 2015- 2016.
Além deste aumento no número de pessoas em TARV, verifica-se também uma diminuição expressiva no tempo mediano (em dias) entre o diagnóstico e o início do tratamento, caindo de 161 dias para 42 dias, em menos de quatro anos, de 2014 a junho de 2017, respectivamente.
O Brasil foi o primeiro país da América Latina a incorporar, a partir de janeiro de 2017, o medicamento Dolutegravir, que é considerado atualmente o melhor medicamento para tratamento do HIV. Dados mais atuais, até 31 de outubro 2017, revelam que 68 mil PVHIV já estão em uso de Dolutegravir no país.
Ainda em relação às metas 90-90-90, observa-se que das pessoas em TARV, há pelo menos seis meses, em 2016, 91% atingiram supressão viral (carga viral abaixo de 1.000 cópias/mL indicando sucesso no tratamento), proporção de 6% acima da observada em 2012 (85%) e ultrapassando a meta estabelecida.
Esses dados subsidiam a resposta ao HIV no Brasil e são reconhecidos por seu rigor, como fonte de informação no âmbito internacional. Recentemente, a Organização Mundial de Saúde (OMS) reconheceu na Conferência Internacional de Aids (IAS 2017, em Paris), durante o lançamento do Consolidated Guidelines on Person-Centred HIV Patient Monitoring and Case Surveillance, que o Brasil é um dos poucos países do mundo que tem conseguido utilizar as informações geradas por seus sistemas nacionais de informação em saúde para fazer diferença na resposta ao HIV. Nesta publicação, inclusive, o Brasil foi citado como exemplo a ser seguido.


Fonte: AGÊNCIA SAÚDE

Comentários
 Mais notícias
 
Mais Médicos: 8 mil profissionais brasileiros inscritos no novo edital (v. 91)
 
Zeca denuncia direcionamento em chamada pública para saúde indígena do MS (v. 94)
 
MEGA-SENA ACUMULA E PODE PAGAR R$ 39 MILHÕES NESTE SÁBADO (v. 89)
 
Crea-MS: em eleição marcada por impugnações, candidato renuncia (v. 109)
 
Faculdades oferecem mais de 67 mil bolsas de estudo em MS (v. 106)